Maiores mudanças da série Anéis do Poder

Compartilhar:

Conheça as mudanças mais significativas entre “Os Anéis de Poder”, da Prime Video, e os livros de Tolkien.

Autor Gabriel Barbosa
Gabriel Barbosa

19/05/2024, 20:37

Elrond e Galadriel em Os Anéis do PoderElrond e Galadriel em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

A série “Os Anéis de Poder” do Amazon Prime Video traz de volta a Terra-média, mas também reinterpreta a rica mitologia criada por J.R.R. Tolkien.

Desde o início, a produção gerou debates acalorados entre os fãs leais da obra original, discutindo as adaptações feitas para a tela. Ou seja, enquanto uns gostaram, outros odiaram.

No próximo mês estreia a 2ª temporada de Os Anéis do Poder e um trailer foi divulgado recentemente pela Prime.

Por isso, decidimos trazer algumas mudanças crucias da série em relação aos livros de Tolkien

Linha do Tempo

A série “Os Anéis de Poder” compacta eventos que nos livros de Tolkien abrangem milênios de história da Terra-média. Nos livros, a Segunda Era da Terra-média dura cerca de 3.441 anos, enquanto a série condensa esses eventos em uma narrativa contínua e mais curta.

Essa abordagem pode criar uma narrativa mais coesa e acessível para os espectadores modernos, mas também levanta questões sobre a fidelidade ao material original.

Apesar disso, é certo dizer que essa condensação simplifica a história, mas ao mesmo tempo, pode eliminar nuances importantes que Tolkien construiu ao longo de sua extensa cronologia.

Mithril

Mithril em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

Uma das mudanças mais notáveis é a reinterpretação do mithril. Nos livros, o mithril é descrito como um minério precioso, extremamente raro e encontrado principalmente em Khazad-dûm.

Na série, o mithril possui uma origem mítica, conectada a um conflito entre elfos e um Balrog, onde a luz das Silmarils estaria presente no minério. Essa nova origem adiciona uma camada de complexidade e misticismo à história, mas também suscita debates sobre a fidelidade ao cânone estabelecido por Tolkien.

Nos escritos de Tolkien, o mithril é altamente valorizado por sua durabilidade e brilho, mas não possui uma origem tão fantasiosa.

Adar, um Novo Protagonista

Adar, elfo corrompido em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

A série introduz um personagem inédito, Adar, que tem um papel significativo na criação de Mordor e no confronto com Sauron. Adar, um elfo corrompido, lidera orcs e desempenha um papel crucial no desenvolvimento das terras que se tornarão Mordor.

Essa adição desafia diretamente a narrativa estabelecida por Tolkien, onde a criação de Mordor é atribuída exclusivamente a Sauron. No entanto, é certo dizer que a presença de Adar cria uma nova dinâmica e complexidade ao vilão principal da série, mas também desvia da representação original de Sauron como o principal antagonista.

Despertar precoce do Balrog

Balrog em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

A série mostra o despertar de um Balrog antes do esperado, alterando a cronologia dos eventos. Afinal, nos livros, o Balrog de Moria desperta durante a Terceira Era, quando os anões tentam extrair mithril de Khazad-dûm.

A antecipação desse evento na série não apenas altera a cronologia, mas também pode mudar a percepção de muitos sobre a ameaça representada pelo Balrog.

Gandalf e o Estranho

Nos livros, a chegada de Gandal à Terra-média ocorre apenas na Terceira Era, com a missão de ajudar a combater Sauron. Na série, ele aparece misteriosamente e sua identidade é revelada mais cedo, o que pode ser uma estratégia de conectar o público com o personagem, aqueles que não o conhecem. No entanto, algumas pessoas especulam que o Estranho não é na verdade Gandalf.

Halbrand, a Nova Face de Sauron

Halbrand, uma das personificações de Sauron em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

Ao modificar a identidade de Sauron e apresentá-lo como Halbrand, a série desafia as expectativas dos fãs e oferece uma abordagem original à mitologia de Tolkien.

Na série, Halbrand é um humano enganador que eventualmente revela ser Sauron. Nos livros, Sauron é um Maia que assume diversas formas, mas nunca se disfarça como um humano comum por tanto tempo. A mudança pode ser um pouco controversa e promete redefinir a narrativa de forma inesperada.

A Ordem da Criação dos Anéis

Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

Nos livros, a criação dos Anéis do Poder é um processo longo e meticuloso, influenciado diretamente por Sauron disfarçado de Annatar. Na série, a criação dos anéis ocorre de forma mais acelerada e com uma influência menos direta de Sauron. Nos escritos de Tolkien, apenas o anel de Galadriel, Nenya, é feito de mithril, enquanto os outros anéis possuem diferentes composições.

Missão de Finrod Inventada

Finrod, irmão de Galadriel, na série Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

No início da série, a motivação de Galadriel se baseia na busca de vingança pela morte de seu irmão Finrod, morto por Sauron. Nos livros, Finrod não faz um juramento de buscar Sauron e não é morto diretamente por ele.

Finrod encontra seu fim nas masmorras de Sauron enquanto ajudava Beren em sua busca por um Silmaril. A série cria uma nova motivação para Galadriel, divergindo significativamente da narrativa original, onde Galadriel não tem um papel tão pessoal na busca por Sauron durante a Segunda Era. Com isso, a narrativa da elfa tem um fator mais humanizado.

Autoridade de Gil-galad Exagerada

Gil-galad em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

Na série, Gil-galad possui autoridade para enviar elfos a Valinor, algo que nem mesmo o Alto Rei dos Noldor poderia fazer nos livros, sendo uma das principais diferenças entre o personagem da obra original.

A série retrata Gil-galad com um poder exagerado, incluindo a capacidade de decidir quem pode viajar para Valinor. Nos livros, essa autoridade pertence aos Valar, os poderosos seres divinos de Aman. Além disso, Gil-galad é mostrado como tendo autoridade sobre os elfos silvanos, o que não condiz com os livros, onde ele é apenas o Alto Rei dos Noldor.

Palantíri e Visões do Futuro

Palantíri a direta em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

Os Palantíri na série mostram visões do futuro, o que contradiz os livros, onde essas pedras só podiam olhar para o passado e ver grandes distâncias. Nos livros, os Palantíri são ferramentas de comunicação e observação, mas não têm a capacidade de prever o futuro.

A série utiliza essas pedras de visão para criar suspense e prever eventos catastróficos, alterando a natureza desses objetos mágicos e adicionando um elemento de premonição que não existe nos escritos de Tolkien.

Posição de Elendil em Númenor

Elendil em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

Nos livros, Elendil e sua família são conselheiros próximos dos reis de Númenor, e Pharazôn deveria saber exatamente quem ele é. A série ajusta significativamente a posição de Elendil em Númenor, retratando-o como um personagem com menos influência inicial. Nos livros, Elendil é um dos líderes dos Fiéis e desempenha um papel crucial na resistência contra a corrupção de Númenor.

Celeborn Nunca Desapareceu

Celeborn, marido de Galadriel no filme de Os Senhor dos Anéis. Foto: Divulgação

A série apresenta Celeborn como desaparecido, algo que nunca ocorre nos livros. Nos escritos de Tolkien, Celeborn e Galadriel se separam temporariamente durante a Segunda Era, mas ele nunca é dado como morto.

A série cria uma nova narrativa de mistério em torno do desaparecimento de Celeborn, adicionando uma subtrama que não existe nos livros. Essa mudança pode criar novas dinâmicas para Galadriel, mas também se desvia significativamente do material original. Posto isso, é provável que a série traga u

Lendas Élficas e Elrond

Elrond em Os Anéis do Poder. Foto: Divulgação

A série introduz a lenda das “Raízes das Hithaeglir” para explicar a origem do mithril, mas elfos nos livros de Tolkien não têm lendas dessa forma. Elrond, que conhece bem os Silmarils, não acreditaria nessa lenda apresentada na série.

Nos livros, os elfos possuem uma longa memória e relatos detalhados de eventos históricos, devido à sua longevidade e proximidade com os eventos do passado. A lenda criada na série para explicar o mithril não se alinha com a tradição de conhecimento preciso e histórico dos elfos.

Invenções

Posto isso, é certo dizer que a série preenche lacunas com novas histórias, como a amizade entre Durin e Elrond, e a introdução da cegueira de Miriel, que não estão presentes nos livros.

Apesar de adicionarem novas camadas, elas divergem da obra original de Toklien. Por exemplo, Durin e Elrond não têm uma amizade documentada, e a cegueira de Miriel é uma criação original da série. Ou seja, essas mudanças criam novas dinâmicas e relações entre os personagens, oferecendo uma perspectiva fresca, mas também se afastando da fidelidade ao material de Tolkien.

Por fim, apesar das mudanças da obra original, a série Os Anéis do Poder oferece uma perspectiva nova sobre a Terra-média, costurada nas obras originais de Tolkien.

Leia também: